SCS424 Fortunato – cultivar de pessegueiro de baixa exigência de frio hibernal

Emilio Della Bruna, Alexsander Luis Moreto, Marco Antônio Dalbó, Henrique Belmonte Petry

Resumo


Resumo: O cultivar de pessegueiro SCS424 Fortunato foi obtido pelo Programa de Melhoramento Genético da Epagri/Estação Experimental de Urussanga, localizada no município de Urussanga, estado de Santa Catarina. Teve origem com a coleta e germinação de sementes de polinização aberta de uma população F₁ proveniente do cruzamento entre os cultivares Ouromel 4 (progenitor feminino) e ‘Pampeano’ (progenitor masculino). Esse cultivar apresenta adaptação para regiões com aproximadamente 150 horas de frio hibernal abaixo de 7,2°C e sem ocorrência de geadas tardias. O cultivar é suscetível a Xanthomonas arborícola pv. pruni, sendo necessário seu plantio em locais abrigados de ventos. Os frutos são de polpa branca, baixa acidez e tamanho comercial padrão. É recomendado para plantio na região Sul de Santa Catarina, em locais com altitudes acima de 200 metros e para outras regiões do Sul do Brasil, com similaridade climática. 


Abstract: The peach cultivar SCS424 Fortunato was obtained by the Genetic Improvement Program of Epagri/Urussanga Experimental Station, located at Urussanga, Santa Catarina State. It was originated by collecting and germinating the seeds of an open pollinated F1 population obtained from a cross between the cultivars Ouromel 4 (female progenitor) and Pampeano (male progenitor). This cultivar is adapted to regions with approximately 150 hours of chilling below 7,2ºC and no occurrence of late frosts. The cultivar is susceptible to Xanthomonas arborícola pv. pruni and it is necessary its cultivation in places sheltered from winds, or to install vegetables curtains around the orchard. This peach cultivar presents fruit with white pulp, low acidity and standard commercial size. It is recommended for planting in the southern region of Santa Catarina with altitudes above 200 meters, and other regions of southern Brazil with climatic similarity. 


Palavras-chave


Prunus persica (L.) Batsch; melhoramento genético; polinização aberta

Texto completo:

PDF

Referências


AGRIANUAL 2014. Anuário estatístico da agricultura brasileira. São Paulo: FNP Consultoria e Comércio, 2014. p.389-391.

BARBOSA, W.; OJIMA, M.; DALL’ORTO, F.A.C.; MARTINS, F.P.; CASTRO, J.L.; SANTOS, R.R. Avaliação de pessegueiros e nectarineiras introduzidos no Brasil, procedentes da Flórida-EUA. Scientia agricola, Piracicaba, v.54, n.3, p.152-159, 1997.

BASSI, D.; MONET, R. Botany and Taxonomy. In: LAYNE, D.R.; BASSI, D. (Ed.). The peach –botany, production and uses. London, UK:Cabi, 2008. p.1-36.

BRASIL. Ato n. 1, de 10 de janeiro de 2008. Instruções para execução dos ensaios de distingüibilidade, homogeneidade e estabilidade de cultivares de pessegueiro e nectarineira (Prunus persica (L.) Batsch). Diário Oficial da União, Brasília, p.5-6, 15 jan. 2008.

BRUNA, E.D.; MORETO, A.L.; DALBÓ, M.A. Uso do coeficiente de repetibilidade na seleção de clones de pessegueiro para o litoral sul de Santa Catarina. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.34, n.1, p.206-215, 2012.

FANZON, C.R.; RASEIRA, M.C.B. Origem e história do pessegueiro. In: RASEIRA, M.C.B; PEREIRA, J.F.M.; CARVALHO, F.L.C. (Ed.). Pessegueiro. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p.19-23.

FEHR, W.R. Principles of cultivar development. v.1. Therory and technique. New York: Macmilan, 1987. 536p.

MADAIL, J.C.; RASEIRA, M.C.B. Aspectos da produção e mercado do pêssego no Brasil. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2008. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/Circular_8

_000gihms14i02wx5ok05vadr1g2w5svd.pdf. Acesso em: 1 jun. 2015. (Embrapa,Circular técnica, 2008).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Agropecuária Catarinense



REVISTA AGROPECUÁRIA CATARINENSE (RAC) 

       ISSN 2525-6076 on-line
       ISSN 0103-0779 impresso
        

Epagri / Departamento Estadual de Marketing e Comunicação (DEMC)

Editoria Técnica
Fone: (48)3665-5449