Produção, época de colheita e qualidade de cinco variedades de amoreira-preta em Chapecó, SC

Eduardo Cesar Brugnara

Resumo


Resumo: – Algumas variedades de amoreira-preta (Rubus sp.) se adaptam a regiões de baixa disponibilidade de frio como o Oeste de Santa Catarina. Chapecó não é um importante produtor de amoras-pretas, mas oferece algumas oportunidades de mercado. O objetivo deste trabalho foi avaliar a época de colheita, a produtividade e a qualidade das frutas de cinco variedades de amoreira-preta no município. As variedades Brazos, Tupy, Cherokee, Guarani e Xavante foram avaliadas durante duas safras quanto a número e massa de pseudofrutos produzidos, época de colheita, massa individual, teor de sólidos solúveis e acidez total do suco dos pseudofrutos. A maior produtividade foi observada para ‘Tupy’ (13,3t ha-1 ano-1), cujo suco foi pouco ácido e com maior relação entre sólidos solúveis e acidez que ‘Xavante’ e semelhante às demais. ‘Brazos’ necessitou do menor tempo para acumular 10% e 90% da massa de amoras colhidas; e ‘Guarani’, do maior tempo. Conclui-se que a variedade Tupy é a mais produtiva, produzindo amoras de tamanho grande, baixa acidez e boa relação entre sólidos solúveis e acidez. ‘Brazos’ é a variedade mais precoce e ‘Guarani’ a mais tardia.


Abstract: – Some blackberry (Rubus sp.) varieties are well adapted to warm regions like the western Santa Catarina State, Brazil. Chapecó it’s not an important blackberry producer, but offers some market opportunities. The objective of this work was to evaluate five blackberry varieties regarding harvest time, yield and fruit quality. The varieties Brazos, Tupy, Cherokee, Guarani and Xavante were evaluated during two seasons in regard to number and mass of berries produced, harvesting time, individual mass, juice soluble solids content and total acidity. The highest yield was observed in ‘Tupy’ (13.3t ha-1 year-1), whose berries were low in acidity and had a higher relation between soluble solids and acidity than ‘Xavante’, but similar to the others. ‘Brazos’ needed the shorter time to reach 10 and 90% of berry mass harvested and ‘Guarani’ the longer. It was concluded that the variety Tupy is the most productive, with berries of big size, low in acidity and with a good ratio between soluble solids and acidity. ‘Brazos’ is the earliest and ‘Guarani’ the latest in ripening time.


Palavras-chave


Rubus sp.; cultivar; sólidos solúveis; acidez; produtividade

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, L.E.C. Características da fruta da amoreira-preta. In: ANTUNES, L.E.C.; RASEIRA, M.C.B. (Eds.). Aspectos técnicos da cultura da amora-preta. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2004. p.43-44. (Embrapa Clima Temperado. Documentos, 122).

ANTUNES, L.E.C.; TREVISAN, R.; GONÇALVES, E.D. Propagação, plantio e tratos culturais. In: ANTUNES, L.E.C.; RASEIRA, M.C.B. (Eds.). Aspectos técnicos da cultura da amorapreta. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2004. p.37-42. (Embrapa Clima Temperado. Documentos, 122).

ANTUNES, L.E.C.; GONÇALVES, E.D.; TREVISAN, R. Fenologia e produção de cultivares de amoreira-preta em sistema agroecológico. Ciência Rural, Santa Maria, v.40, n.9, p.1929-1933, 2010. Disponível em: http://www.s c i e l o . b r / s c i e l o . p h p ? p i d = S 0 1 0 3 -

&script=sci_arttext. Acesso em: 4 maio 2015.

BORCHARDT, I.; HEIDEN, F.C.; FAORO, I.D. (Coords.). Fruticultura catarinense em números - 2012/13. Florianópolis: Epagri, 2013. 61p. Disponível em: http://docweb.epagri.sc.gov.br/website_cepa/publicacoes/P r o d u c a o _ f r u t i c u l t u r a _ S a n t a % 2 0Catarina_2013.pdf. Acesso em: 18 set. 2014.

BORTOLINI, A.J.; MELO, A.; LUZ, A.R.; MACEDO, T.A.; RUFATO, L.; KRETZSCHMAR, A.A. Produtividade e qualidade de frutos de Amoreira-preta no município de Lages, SC. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE

FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 14., 2015, Fraiburgo. Anais... Caçador: Epagri, 2015. p.52

BOTELHO, R.V.; PAVANELLO, A.P.; BROETTO, D.; SCISLOSKI, S.F.; BALDISSERA, T.S. Fenologia e produção da amoreira-preta sem espinhos cv. Xavante na região de Guarapuava-PR. Scientia Agraria, Curitiba, v.10, n.3, p.209-214, 2009. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2015.

CAMPAGNOLO, M.A.; PIO, R. Produção da amoreira-preta ‘Tupy’ sob diferentes épocas de poda. Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.2, p.225-231, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

DORIGON, C. Mercado de produtos coloniais da Região Oeste de Santa Catarina: em construção. 437f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

FERREIRA, L.V. Produção de amora-preta, sistemas de condução, doses de torta de mamona e concentrações de cálcio e boro. 113f. Dissertação (Mestrado em Ciências), Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2012.

FIGUEIREDO, M.A.; PIO, R.; SILVA, T.C.; SILVA, K.N. Características florais e carpométricas e germinação in vitro de grãos de pólen de cultivares de amoreira-preta. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.48, n.7, p.731-740, 2013. Disponível em: . Acesso em: 4 jul. 2015.

HIRSCH, G.E.; FACCO, E.M.P.; RODRIGUES, D.B.R.; VIZZOTTO, M.; EMANUELLI, T. Caracterização físico-química de variedades de amora-preta da região sul do Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.5, p.942-947, 2012. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782012000500029. Acesso em: 5 ago. 2015.

PEREIRA, I.S. Adubação de pré-plantio no crescimento, produção e qualidade da amoreira-preta (Rubus sp.). 148p. Dissertação (Mestrado em Agronomia), Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2008.

PEREIRA, I.S.; PICOLOTTO, L.; CORREA, A.P.A.; RASEIRA, M.C.B.; ANTUNES, L.E.C. Informações técnicas de cultivares de amoreira-preta. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, [2014?].

PERUZZO, E.L.; DALBÓ, M.A.; PICCOLI, P. Amora-preta: variedades e propagação. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v.8, n.3, p.53-55, 1995.

RASEIRA, M.C.B; SANTOS, A.M.; BARBIERI, R.L. Classificação botânica, origem e cultivares. In: ANTUNES, L.E.C. (Ed.). Sistema de Produção de amoreira-preta. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2008. Disponível em: http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Amora/

SistemaProducaoAmoreiraPreta/botanica.htm. Acesso em: 7 ago. 2015.

SEGANTINI, D.M.; LEONEL, R.; CUNHA, A.R.; FERRAZ, R.A.; RIPARDO, A.K.S. Exigência térmica e produtividade da amoreirapreta em função das épocas de poda. Revista Brasileira de Fruticultura, v.36, n.3, p.568-575, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-

&script=sci_arttext. Acesso em: 4 jul. 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre, RS: SBCS/Núcleo Regional Sul; Comissão de Química e Fertilidade do Solo – RS/SC, 2004. 400p.

SOUZA, R.T.M. Gestão ambiental de agroecossistemas familiares mediante o método MESMIS de avaliação de sustentabilidade. 216f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

TADEU, M.H.; SOUZA, F.B.M.; PIO, R.; VALLE, M.H.R.; LOCATELLI, G.R.; GUIMARÃES, G.F.; SILVA, B.E.C. Poda drástica de verão e produção de cultivares de amoreirapreta em região subtropical. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.50, n.2, p.132-140, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

WREGE, M.S.; HERTER, F.G. Condições de clima. In: ANTUNES, L.E.C.; RASEIRA, M.C.B. (Eds.). Aspectos técnicos da cultura da amora-preta. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2004. p.13-16 . (Embrapa Clima Temperado, Documentos, 122).

WREGE, M.S.; STEINMETZ, S.; REISSER JÚNIOR, C.; ALMEIDA, I.R. (Eds.). Atlas climático da região Sul do Brasil: Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pelotas: Embrapa Clima Temperado; Colombo: Embrapa Florestas, 2011. 336p.

ZEVIANI, W.M. Parametrizações interpretáveis em modelos não lineares. 146f. Tese (Doutorado em Estatística e Experimentação Agropecuária),

Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agropecuária Catarinense



REVISTA AGROPECUÁRIA CATARINENSE (RAC) 

       ISSN 2525-6076 on-line
       ISSN 0103-0779 impresso
        

Epagri / Departamento Estadual de Marketing e Comunicação (DEMC)

Editoria Técnica
Fone: (48)3665-5449