Inventário de vegetação em estágio inicial de sucessão na Floresta Ombrófila Densa no Vale do Itajaí, Santa Catarina

Autores

  • Gustavo Antonio Piazza Fundação Universidade Regional de Blumenau
  • Alexander Christian Vibrans Fundação Universidade Regional de Blumenau
  • Laio Zimermann Oliveira Fundação Universidade Regional de Blumenau
  • Veraldo Liesenberg Universidade Estadual de Santa Catarina

Palavras-chave:

Cobertura florestal, Análise da vegetação, Uso do solo

Resumo

Resumo: Diferentes áreas com vegetação em estágio inicial de sucessão na Floresta Ombrófila Densa no Vale do Itajaí, em Santa Catarina, foram inventariadas. As espécies mais abundantes e a diversidade de espécies nas Unidades Amostrais (UA) foram avaliadas. Parâmetros estruturais foram estimados, como número de indivíduos (N.ha-1), área basal (AB.ha-1), diâmetro médio à altura do peito (DAP) e altura total média (Ht). Foram encontradas 62 espécies (DAP ≥ 3cm) em 0,96ha de área amostrada. Espécies mais abundantes foram: Myrsine coriacea, Cyathea atrovirens, Tibouchina urvilleanae, Miconia cinammomifolia. O número de indivíduos e a área basal variaram entre as UAs, mas o DAP e a Ht mostraram-se similares.

 

Biografia do Autor

Gustavo Antonio Piazza, Fundação Universidade Regional de Blumenau

Engenheiro ambiental, M.Sc., Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Fundação Universidade Regional de Blumenau, Rua São Paulo, 3250, 89030-000 Blumenau, SC.

Alexander Christian Vibrans, Fundação Universidade Regional de Blumenau

Engenheiro florestal, Dr., Fundação Universidade Regional de Blumenau. 

Laio Zimermann Oliveira, Fundação Universidade Regional de Blumenau

Engenheiro florestal, M.Sc., Fundação Universidade Regional de Blumenau.

Veraldo Liesenberg, Universidade Estadual de Santa Catarina

Engenheiro florestal, Dr., Universidade Estadual de Santa Catarina, 88520-000 Lages, SC.

Referências

ALVARES, C.A.; STAPE, J.L; SENTELHAS, P.C.; GONÇALVES, J.L.M.; PAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. MeteorologischeZeitschrift, v.22, p.711-728, 2013.

BRASIL. Resolução no 5, de 4 de maio de 1994, que estabelece definições e parâmetros mensuráveis para análise de sucessão ecológica da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res94/res0494.html>. Acesso em: 10 set. 2012.

CHAZDON, R.L. Change and determinism in Tropical Forest Succession. In: CARSON, W.P.; SCHNITZER, S.A. (Eds.). Tropical Forest Community

Ecology, p.384-408. Oxford: John Wiley & Sons Ltd., 2008.

CHOKKALINGAM, D.; JONG, W.D. Secondary forest: a working definition and typology. International Forestry Review, v.3, n.1, p.19-26, 2001.

EPAGRI. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Atlas Climatológico do Estado de Santa Catarina. Florianópolis. CD-ROM, 2002.

FELFILI, J.M. et al. Análise multivariada: princípios e métodos em estudos de vegetação. In: FELFILI, J.M., EISENLOHR, P.V., MELO, M.M.R.F., ANDRADE, L.A., NETO, J.A.A.M. (Eds.). Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de casos. Viçosa: UFV, 2011.

FINEGAN, B. Pattern and process in neotropical secondary forests: the first 100 years of succession. Trends in Ecology and Evolution, v.11, p.119-124. 1996.

FINEGAN, B. The management potential of Neotropical secondary lowland rain forest. Forest Ecology and Management, v.47, p.295-322. 1992.

HURLBERT, S.H. The nonconcept of species diversity: A critique and alternative parameters. Ecology, v.52, n.4., p.577-586, 1971.

KLEIN, R. M. Ecologia da Flora e Vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, Itajaí, v.32, n.32, 1980.

LEGENDRE, P.; LEGENDRE, L. Numerical Ecology. 2.ed. Amsterdam: Elsevier, 1998.

MAGURRAN, A.M. Measuring Biological Diversity. Oxford: Blackwell Science, 2004.

MARQUARDT, R.T. Análise da invasibilidade de Pinus spp. no Meio-Oeste de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, 2013.

MELO, S.M. 2008. O que ganhamos confundindo riqueza de espécies e equabilidade em um índice de diversidade? Biota Neotropical: 8, n.3, 21-27.

PIAZZA, G.A.; OLIVEIRA, L.Z.; AUMOND, J.J.; SEVEGNANI, L.; GEBIEN, G.; ORTIZ, M.; GROSCH, B.; AGUIDA, L.M.; FAUSTO, M.L.; MIRANDA, N.B.; ALVES, T.C. Modelo de avaliação de obras de contenção de pequenos movimentos de massa. Sustentabilidade em Debate, v.6, p.101-118, 2015.

REIS, A.; REIS, M.S.; FANTINI, A.C. Manejo do palmiteiro (Euterpe edulis) em regime de rendimento sustentado. Universidade Federal de Santa Catarina, 1995.

RIBEIRO, M.C.; METZGER, J.P.; MARTENSEN, A.C.; PONZONI, F.J.; HIROTA, M.M. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v.142, p.1141-1153, 2009.

SCHORN, L.A. Estrutura e dinâmica de estágios sucessionais de uma Floresta Ombrófila Densa em Blumenau, Santa Catarina. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, 2005.

SCHORN, L.A., GASPER, A.L., MEYER, L., VIBRANS, A.C. (2012) Síntese da estrutura dos remanescentes florestais de Santa Catarina. In: VIBRANS, A.C.; SEVEGNANI, L.; GASPER, A.L.; LINGNER, D.V. (Eds.). v.1., cap.7. Inventário florístico Florestal de Santa Catarina. Blumenau: Universidade Regional de Blumenau, 2012. p.125-137.

SIMINSKI, A. A floresta do futuro: conhecimento, valorização e perspectivas de uso das formações florestais secundárias no estado de Santa Catarina. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2009.

SIMINSKI, A. Formações florestais secundárias como recurso para o desenvolvimento rural e a conservação ambiental no litoral de Santa Catarina. 102f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2004.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma floresta tropical montana após corte e queima (São Paulo – Brasil). Revista Brasileira de Biologia, v.59, p.239-250, 1999.

VIBRANS, A.C., McROBERTS, R.E., MOSER, P.; NICOLETTI, A.L. Using satellite image-based maps and ground inventory data to estimate the remaining Brazilian Atlantic forest in Santa Catarina. Remote Sensing of Envir., v.130, p.87-95, 2013.

VIBRANS, A.C.; SEVEGNANI, L.; LINGNER, D.V.; GASPER, A.L; SABBAGH, S. Inventário Florístico-Florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Colombo, v.30, n.64, p.291-302, 2010.

Downloads

Publicado

2017-10-26

Como Citar

Piazza, G. A., Vibrans, A. C., Oliveira, L. Z., & Liesenberg, V. (2017). Inventário de vegetação em estágio inicial de sucessão na Floresta Ombrófila Densa no Vale do Itajaí, Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, 29(1), 49-53. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/90

Edição

Seção

Nota Científica