Comparação de dois protocolos de aquisição de dados para sensores de marégrafos no porto de Imbituba – Santa Catarina

Autores

  • Luis Hamilton Pospissil Garbossa Epagri/Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia - Ciram, Santa Catarina, Brasil https://orcid.org/0000-0003-1544-0079
  • Matias Guilherme Boll Epagri/Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia - Ciram, Santa Catarina https://orcid.org/0000-0002-2830-5346
  • Argeu Vanz Epagri/Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia - Ciram, Santa Catarina https://orcid.org/0000-0003-0982-0008
  • Camila Kuminek de Amorim SCPAR Porto de imbituba

DOI:

https://doi.org/10.52945/rac.v34i3.679

Palavras-chave:

monitoramento, base de dados, qualidade de dados, navegação

Resumo

Um sistema de monitoramento contínuo do nível do mar foi implantado para apoiar a aquicultura, pesca e a navegação em geral. A iniciativa, denominada de SCTGN (do inglês Santa Catarina Tide Gauge Network), foi iniciada no ano de 2012 com uma estação maregráfica na Baía Sul da Ilha de Santa Catarina para apoiar projetos de pesquisa na área de aquicultura e modelagem numérica hidrodinâmica. No ano de 2020, a SCTGN se estabeleceu com 11 estações maregráficas. A próxima etapa é padronizar as estações para atender aos protocolos internacionais de coleta de dados. O conhecimento sobre os efeitos de distintos protocolos de programação nas estações maregráficas são muito importantes, pois podem afetar os resultados das medições do nível do mar. Dados do sensor de radar (RG) e do sensor de pressão ventilado (ou relativo) (VPG) foram coletados durante um período de seis meses no mesmo local. A variância da diferença entre os dois sensores foi de 5,07 cm2. O percentual de erro de leituras foi de 0,03% e 0,77% para o RG e o VPG, respectivamente. O objetivo do estudo foi avaliar a viabilidade do uso do protocolo de coleta de dados do SCTGN associado com o sensor RG par atender as recomendações do Intergovernmental Oceanographic Commission (IOC) para monitoramento do nível do mar. O uso do protocolo adotado para a SCTGN no marégrafo RG é adequado para monitoramento do nível do mar e tem vantagens em relação ao VPG no que se refere a facilidade de instalação, manutenção e garantia de estabilidade do datum vertical.

Biografia do Autor

Camila Kuminek de Amorim, SCPAR Porto de imbituba

Analista de Oceanografia

Referências

FRANCO, A.S. Marés: Fundamentos, Análise e Previsão. 2. ed. Niterói, RJ: Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), 2009. 344 p.

GRAYBEAL, D.Y.; DEGAETANO, A.T.; EGGLESTON, K.L. Complex quality assurance of historical hourly surface airways meteorological data. Journal of Atmospheric and Oceanic Technology, v. 21, p. 1156-1169, 2004. DOI: https://doi.org/10.1175/1520-0426(2004)021<1156:CQAOHH>2.0.CO;2

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Relatório de Monitoramento da Variação do Nível Médio do Mar nas Estações da Rede Maregráfica Permanente para Geodésia – 2001-2012, 2013. 47p. Available at: http://geoftp.ibge.gov.br/ /informacoes_sobre_posicionamento_geodesico/rmpg/relatorio/relatorio_RMPG_2001_2013_GRRV.pdf. Access in: May 2019.

IOC. Intergovernmental Oceanographic Commission - UNESCO. Manual on Sea Level Measurement and Interpretation – Radar Gauges volume V – Manuals and Guides 14. JCOMM Technical Report No. 89, 2016, 104p. Available at: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000246981. Access in: May 2019.

MEHRA, P.; PRABHUDESAI, R.G.; JOSEPH, A.; AGARVADEKAR, Y.; LUIS, R.; DAMODARAN, S.; VIEGAS, B. A one-year comparison of radar and pressure tide gauge at Goa, West Coast of India. In: Proceedings of the International Symposium on Ocean Electronics (SYMPOL), Cochin, 2009, p. 173-183.

NIVETEC. Manual do transmissor de nível tipo hidrostático 780, 2017, 4p. Avaiable at: https://nivetec.com.br/wp-content/uploads/2019/05/ /NT_MN_Nivetec_S780.pdf. Access in: November 2018.

OTT. Operating instructions Radar Level Sensor OTT RLS, 2015, 32p. Available at: https://www.ott.com/en-us/products/download/ott-rls-manual-us/OTT_RLS_ _US_Manual.pdf. Access in: November 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

Garbossa, L. H. P., Boll, M. G., Vanz, A., & de Amorim, C. K. (2021). Comparação de dois protocolos de aquisição de dados para sensores de marégrafos no porto de Imbituba – Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, 34(3), 63-66. https://doi.org/10.52945/rac.v34i3.679

Edição

Seção

Artigo Científico