A videira ‘Goethe’ e seus clones nos Vales da Uva Goethe

Autores

  • Emilio Della Bruna Epagri/Estação Experimental de Urussanga, C.P. 49, 88840-000 Urussanga, SC
  • Stevan Grutzmann Arcari Epagri/Estação Experimental de Urussanga
  • Henrique Belmonte Petry Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Palavras-chave:

Indicação Geográfica, mutação, produção de vinho, uva vinífera

Resumo

Resumo: O cultivar de videira Goethe é amplamente cultivado na região de Urussanga desde sua introdução, no início do século 20. Entre as décadas de 1920 e 1960, foi responsável pela fama e aceitação do vinho branco da região por todo o País e por suas premiações nacionais e internacionais. Em 2012 recebeu do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) o registro de Indicação Geográfica “Vales da Uva Goethe”. Ao longo de mais de um século de cultivo, foram isolados e multiplicados dois clones a partir do cultivar Goethe, o ‘Goethe Primo’ e o ‘SCS420 Goethe Cristal’. Esses dois clones mantêm as características fenológicas e culturais do cultivar original, diferenciando-se basicamente pelas características do fruto e do vinho produzido. O cultivar Goethe Primo apresenta bagas maiores, menos coloridas, com menor acidez e casca mais espessa. O cultivar SCS420 Goethe Cristal apresenta bagas de coloração verde, de maior tamanho e menor acidez. Os vinhos produzidos por esses clones caracterizam-se por serem menos ácidos e terem aromas com notas florais e menos intensos em relação aos da videira ‘Goethe’.

 

 

Biografia do Autor

Emilio Della Bruna, Epagri/Estação Experimental de Urussanga, C.P. 49, 88840-000 Urussanga, SC

Engenheiro-agrônomo, M.Sc.

Stevan Grutzmann Arcari, Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Tecnólogo em Enologia

Henrique Belmonte Petry, Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Engenheiro-agrônomo, Dr.

Referências

GALET, P. Cépages et vignobles de France – l´ampelographie française. Montpellier: Déhan, 1990. 400p.

GIESBRECHT, H.O.; MINAS, R.B.A.; GONÇALVES, M.F.W.; SCHWANKE, F.H. Indicações geográficas brasileiras – Vinho. Brasília: Sebrae, INPI, 2014. 64p.

GIOVANNINI, E. Produção de uvas para vinho, suco e mesa. Porto Alegre: Renascença, 2008. 368p.

HEDRICK, U.P. Grapes of New York. Albany: J.B. Lyon Company, 1908. 558p.

INGLEZ DE SOUZA, J.S. Uvas para o Brasil. Piracicaba: Fealq, 1996.

SCHUCK, M.R.; MOREIRA, F.M.; GUERRA, M.P.; VOLTOLINI, J.A.; GRANDO, M.S.; LIMA DA SILVA, A. Identificação molecular da uva ‘Goethe’ de Urussanga, SC, por marcadores microssatélites. Revista Brasileira de Fruticultura, v.32, p.825831, 2010.

VIEIRA, A.C.P.; MAESTRELLI, S.R.; ARCARI, S.G. Você sabe o que é uma indicação geográfica? Cartilha da indicação de procedência dos Vales da Uva Goethe. Florianópolis: Epagri, 2014. 20p.

VIVC (Vitis International Variety Catalogue). Disponível em: <http://www.vivc. de>. Acesso em: 26 maio 2015.

VON BABO, A.; RÜMPLER, T. Kultur und Beschreibung der amerikanischen Weintrauben. Berlim, Paul Barey, 1885. 56p.

Downloads

Publicado

2016-10-05

Como Citar

Della Bruna, E., Arcari, S. G., & Petry, H. B. (2016). A videira ‘Goethe’ e seus clones nos Vales da Uva Goethe. Agropecuária Catarinense, 29(2), 53-57. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/68

Edição

Seção

Germoplasma