Aspectos biológicos da traça-da-bananeira

Autores

  • José Maria Milanez Epagri/Estação Experimental de Itajaí
  • Robert Harri Hinz Epagri/Estação Experimental de Itajaí
  • Cristiane Maria da Silva UFSC/Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima

Palavras-chave:

Musa spp., criação, Opogona sacchari

Resumo

O objetivo deste trabalho foi desenvolver uma técnica de criação da traça-da-bananeira Opogona sacchari (Bojer) (Lepidoptera: Lyonetidae) para conhecer aspectos do seu ciclo biológico. As lagartas foram criadas em dieta natural com: ágar (25g), água destilada (500ml), polpa de banana verde (500g), methylis parahydroxibenzoas (0,550g), ácido sórbico (1,5g) e estreptomicina (0,1g). Os casais foram colocados em gaiolas de PVC contendo em seu interior folhas dobradas de papel cartolina, nas cores verde e preta, onde as fêmeas puseram os ovos. O período de incubação variou de 4 a 7 dias. A duração média das fases larval e pupal foi de 25,34 e 12,07 dias, respectivamente. O período de ovo até adulto variou de 32 a 41 dias.A longevidade média da fêmea foi de 10,5 dias e a do macho foi de 8,3 dias. A técnica de criação mostrou-se adequada para o estudo das diferentes fases do ciclo biológico, podendo ser aperfeiçoada para melhorar as viabilidades das fases de larva e de pupa.

Downloads

Publicado

2020-04-28

Como Citar

Milanez, J. M., Hinz, R. H., & da Silva, C. M. (2020). Aspectos biológicos da traça-da-bananeira. Agropecuária Catarinense, 24(3), 92-94. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/709

Edição

Seção

Nota Científica