Queijo com história e identidade

Autores

  • Cinthia Andruchak Freitas Epagri, Florianópolis, SC

Palavras-chave:

Queijo, comercialização, indicação geográfica

Resumo

Ele já viajou no lombo de mulas, alimentou tropeiros, foi moeda de troca e faz parte da tradição, da alimentação e da renda das famílias da Serra Catarinense e dos Campos de Cima da Serra do Rio Grande do Sul há mais de dois séculos. O queijo artesanal serrano revela na textura, no aroma e no sabor que é muito mais do que um produto – é um pedaço da história que reúne características únicas, como o “saber-fazer” que cruzou o Atlântico com os portugueses, o clima frio dos campos de araucárias e o leite das vacas de corte alimentadas com pastagem nativa. Graças a um projeto iniciado há cinco anos, em um futuro próximo ele passará por um upgrade em termos de reconhecimento, legalização e mercado, mas sem perder sua essência.

Essa história começou a ser escrita por volta de 1730, quando foi aberto o Caminho dos Conventos. O trajeto que ligava o Cone Sul da América à Província de São Paulo ficou conhecido, mais tarde, como Caminho das Tropas. É nesse período que se inicia o ciclo do tropeirismo, e a Serra Catarinense e os Campos de Cima da Serra tornam-se local de pouso. Ao mesmo tempo, famílias de açorianos chegam para se instalar na região.

Biografia do Autor

Cinthia Andruchak Freitas, Epagri, Florianópolis, SC

Jornalista

Downloads

Publicado

2017-10-26

Como Citar

Freitas, C. A. (2017). Queijo com história e identidade. Agropecuária Catarinense, 28(1), 19-24. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/RAC/article/view/170

Edição

Seção

Reportagem