Identificação da raça 73 de Colletotrichum lindemuthianum, agente causal da antracnose-do-feijoeiro, em dois municípios do Alto Vale do Itajaí, SC

Autores

  • Jean Carlos Loffaguen UFSC/Laboratório de Fitopatologia
  • Viviane Talamini UFSC/CCA
  • Marciel João Stadnik UFSC/CCA

Palavras-chave:

antracnose, raças patogênicas, Phaseolus vulgaris.

Resumo

A antracnose-do-feijoeiro causada por Colletotrichum lindemuthianum é considerada a principal doença dessa cultura, em função das perdas de produtividade que provoca nas lavouras atacadas. Uma das formas
mais eficientes de controle dessa doença é por meio de cultivares resistentes. No caso da antracnose, a resistência de uma cultivar está diretamente relacionada às raças do fungo presentes na região de plantio. O presente trabalho teve por objetivo identificar a raça presente em duas lavouras severamente infectadas por C. lindemuthianum nos municípios de Ituporanga e Petrolândia. Após o isolamento monospórico do fungo identificou-se, com o auxílio de 12 cultivares diferenciadoras, a raça 73 a partir dos dois isolados coletados na Região do Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina.

Downloads

Publicado

2021-06-23

Como Citar

Loffaguen, J. C., Talamini, V., & Stadnik, M. J. . (2021). Identificação da raça 73 de Colletotrichum lindemuthianum, agente causal da antracnose-do-feijoeiro, em dois municípios do Alto Vale do Itajaí, SC. Agropecuária Catarinense, 18(2), 87-89. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/973

Edição

Seção

Nota Científica