SCS424 Fortunato – cultivar de pessegueiro de baixa exigência de frio hibernal

Autores

  • Emilio Della Bruna Epagri/Estação Experimental de Urussanga
  • Alexsander Luis Moreto Epagri/Estação Experimental de Urussanga
  • Marco Antônio Dalbó Epagri/Estação Experimental de Videira
  • Henrique Belmonte Petry Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Palavras-chave:

Prunus persica (L.) Batsch, melhoramento genético, polinização aberta

Resumo

Resumo: O cultivar de pessegueiro SCS424 Fortunato foi obtido pelo Programa de Melhoramento Genético da Epagri/Estação Experimental de Urussanga, localizada no município de Urussanga, estado de Santa Catarina. Teve origem com a coleta e germinação de sementes de polinização aberta de uma população F₁ proveniente do cruzamento entre os cultivares Ouromel 4 (progenitor feminino) e ‘Pampeano’ (progenitor masculino). Esse cultivar apresenta adaptação para regiões com aproximadamente 150 horas de frio hibernal abaixo de 7,2°C e sem ocorrência de geadas tardias. O cultivar é suscetível a Xanthomonas arborícola pv. pruni, sendo necessário seu plantio em locais abrigados de ventos. Os frutos são de polpa branca, baixa acidez e tamanho comercial padrão. É recomendado para plantio na região Sul de Santa Catarina, em locais com altitudes acima de 200 metros e para outras regiões do Sul do Brasil, com similaridade climática. 



Biografia do Autor

Alexsander Luis Moreto, Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Engenheiro-agrônomo, Dr.

Marco Antônio Dalbó, Epagri/Estação Experimental de Videira

Engenheiro-agrônomo, Ph.D.

Henrique Belmonte Petry, Epagri/Estação Experimental de Urussanga

Engenheiro-agrônomo, Dr.

Referências

AGRIANUAL 2014. Anuário estatístico da agricultura brasileira. São Paulo: FNP Consultoria e Comércio, 2014. p.389-391.

BARBOSA, W.; OJIMA, M.; DALL’ORTO, F.A.C.; MARTINS, F.P.; CASTRO, J.L.; SANTOS, R.R. Avaliação de pessegueiros e nectarineiras introduzidos no Brasil, procedentes da Flórida-EUA. Scientia agricola, Piracicaba, v.54, n.3, p.152-159, 1997.

BASSI, D.; MONET, R. Botany and Taxonomy. In: LAYNE, D.R.; BASSI, D. (Ed.). The peach –botany, production and uses. London, UK:Cabi, 2008. p.1-36.

BRASIL. Ato n. 1, de 10 de janeiro de 2008. Instruções para execução dos ensaios de distingüibilidade, homogeneidade e estabilidade de cultivares de pessegueiro e nectarineira (Prunus persica (L.) Batsch). Diário Oficial da União, Brasília, p.5-6, 15 jan. 2008.

BRUNA, E.D.; MORETO, A.L.; DALBÓ, M.A. Uso do coeficiente de repetibilidade na seleção de clones de pessegueiro para o litoral sul de Santa Catarina. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.34, n.1, p.206-215, 2012.

FANZON, C.R.; RASEIRA, M.C.B. Origem e história do pessegueiro. In: RASEIRA, M.C.B; PEREIRA, J.F.M.; CARVALHO, F.L.C. (Ed.). Pessegueiro. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p.19-23.

FEHR, W.R. Principles of cultivar development. v.1. Therory and technique. New York: Macmilan, 1987. 536p.

MADAIL, J.C.; RASEIRA, M.C.B. Aspectos da produção e mercado do pêssego no Brasil. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2008. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/Circular_8

_000gihms14i02wx5ok05vadr1g2w5svd.pdf. Acesso em: 1 jun. 2015. (Embrapa,Circular técnica, 2008).

Downloads

Publicado

2017-01-09

Como Citar

Bruna, E. D., Moreto, A. L., Dalbó, M. A., & Petry, H. B. (2017). SCS424 Fortunato – cultivar de pessegueiro de baixa exigência de frio hibernal. Agropecuária Catarinense, 29(3), 49-53. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/143

Edição

Seção

Germoplasma

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.