Segurança alimentar: desafio 2050

Autores

  • Glauco Olinger Titular da Academia Brasileira de Ciência Agronômica, membro honorário da Academia Brasileira de Extensão Rural, ex-secretário da Agricultura e da Educação de Santa Catarina, ex-presidente da Embrater e da Cidasc, ex-diretor e fundador do Centro de Ciências Agrárias da UFSC e do ETAProjeto 17-Acaresc

Palavras-chave:

Agricultura, alimentação

Resumo

A Cúpula Mundial de Alimentação define segurança alimentar e nutricional como “a garantia, a todos, de condições de acesso a alimentos básicos de qualidade em quantidade suficiente, de modo permanente e sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, com base em práticas alimentares saudáveis, contribuindo, assim, para uma existência digna em um contexto de desenvolvimento integral da pessoa humana”. Essa definição vem sendo aceita pelo governo brasileiro, tornando-se base para a legislação específica relativa às praticas de comercialização de produtos alimentícios.

A segurança alimentar mundial tem especial atenção da Organização para a Agricultura e Alimentação (FAO), da Organização das Nações Unidas (ONU). Atitudes práticas vêm sendo tomadas na procura de respostas para a inquietante pergunta: Como alimentar um mundo com mais de 9 bilhões de pessoas no ano de 2050?

Biografia do Autor

Glauco Olinger, Titular da Academia Brasileira de Ciência Agronômica, membro honorário da Academia Brasileira de Extensão Rural, ex-secretário da Agricultura e da Educação de Santa Catarina, ex-presidente da Embrater e da Cidasc, ex-diretor e fundador do Centro de Ciências Agrárias da UFSC e do ETAProjeto 17-Acaresc

Engenheiro-agrônomo

Downloads

Publicado

2017-10-26

Como Citar

Olinger, G. (2017). Segurança alimentar: desafio 2050. Agropecuária Catarinense, 28(1), 14-16. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/RAC/article/view/169

Edição

Seção

Conjuntura

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.