Bebedouro para abelhas - Tecnologia de baixo custo que melhora a eficiência produtiva das colônias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52945/rac.v35i2.1336

Palavras-chave:

Apis mellifera L., coleta de água, tecnologias de baixo custo

Resumo

A água é utilizada pelas abelhas no seu metabolismo e outras funções na colônia. Na ausência de fontes de água é fundamental a disponibilização de um bebedouro às abelhas. Neste trabalho apresentamos a confecção de um bebedouro e os resultados preliminares de avaliação da visitação para a coleta de água em um bebedouro instalado em um apiário e outro em um pomar cultivado sob telas antigranizo. Avaliaram-se o número de abelhas que chegavam ao bebedouro por minuto e o seu tempo de visitação. As abelhas visitaram os bebedouros de forma constante nos dois ambientes, inclusive em condições climáticas consideradas impróprias para voo e forrageamento, o que demonstra a necessidade de água para a colônia. A instalação do bebedouro nos pomares pode ser uma opção para melhorar a permanência das abelhas sob a tela antigranizo, bem como evitar que elas não consigam regressar ao saírem em busca de água.

Biografia do Autor

Tânia Patrícia Schafaschek, Epagri/ Estação Experimental de Videira

Pesquisadora da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri, lotada na Estação Experimental de Videira. Atua na área de apicultura, principalmente nas linhas de pesquisa de seleção de rainhas de abelhas Apis mellifera africanizadas; comportamento higiênico de abelhas Apis mellifera; ácaro Varroa destructor e pastagem apícola.   

André Amarildo Sezerino , Epagri/Estação Experimental de Caçador

Eng. Agrônomo com mestrado e doutorado em Recursos Genéticos Vegetais pela Universidade Federal de Santa Catarina, com período de doutorado sanduíche no Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa - Portugal. Tem experiência na área de Fitotecnia, com ênfase na área de fruticultura de clima temperado, especialmente nas culturas da macieira, pereira e mirtileiro. Também tem experiência na área de apicultura com ênfase em polinização dirigida para a fruticultura e sanidade apícola. Atualmente é pesquisador na Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Estação Experimental de Caçador, SC e Professor do Curso de Agronomia da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (Uniarp).

Referências

ALVES, L.H.S.; CASSINO, P.C.R.; PREZOTO, F. Effects of abiotic factors on the foraging activity of Apis mellifera Linnaeus, 1758 in inflorescences of Vernonia polyanthes Less (Asteraceae). Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.37, p.405, 2015. DOI: https://doi. org/10.4025/actascianimsci.v37i4.27463.

ELLIS, M.B.; NICOLSON, S.W.; CREWE, R.M.; DIETEMANN, V. Hygropreference and brood care in the honeybee (Apis mellifera). Journal of Insect Physiology, v.54, p.1516–1521, 2008. DOI: https://doi. org/10.1016/j.jinsphys.2008.08.011.

FREE, J.B. Insect pollination of crops. London: Academic Press, 1993. 684p.

HUMAN, H.; NICOLSON, S.W.; DIETEMANN, V. Do honeybees, Apis mellifera scutellata, regulate humidity in their nest? Naturwissenschaften, v.93, p.397–401, 2006. DOI: https://doi. org/10.1007/s00114-006-0117-y.

KOVAC, H.; STABENTHEINER, A.; SCHMARANZER, S. Thermoregulation of water foraging honeybees – balancing of endothermic activity with radiative heat gain and functional requirements. Journal of Insect Physiology, v.56, p.1834–1845, 2010. DOI: https://doi. org/10.1016/j.jinsphys.2010.08.002.

MALERBO-SOUZA, D. T.; SILVA, F. A. S. Comportamento forrageiro da abelha africanizada Apis mellifera L. no decorrer do ano. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.33, n.2, p.183-190, 2011. DOI: https://doi. org/10.4025/actascianimsci.v33i2.9252.

VISSCHER, P.K.; CRAILSHEIM, K.; SHERMAN, G. How do honey bees (Apis mellifera) fuel their water foraging flights? Journal of Insect Physiology, v.42, n.11-12, p.1089-1094, 1996.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Schafaschek, T. P., & Sezerino, A. A. . (2022). Bebedouro para abelhas - Tecnologia de baixo custo que melhora a eficiência produtiva das colônias. Agropecuária Catarinense, 35(2), 21-23. https://doi.org/10.52945/rac.v35i2.1336

Edição

Seção

Nota Científica