Formulações de fosfitos para o controle de cancro europeu da macieira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52945/rac.v35i2.1457

Palavras-chave:

Malus domestica, Neonectria ditissima, doenças da macieira, indução de resistência, manejo integrado

Resumo

 O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito de diferentes formulações de fosfitos para o controle do cancro europeu da macieira (CEM). No estudo in vitro os produtos foram incorporados em meio BDA (Batata-Dextrose-Ágar) e o desenvolvimento de Neonectria ditissima foi avaliado. Frutos e mudas de macieira foram feridos e, em seguida, foram
tratados e inoculados com N. ditissima em laboratório e casa-de-vegetação, respectivamente. Plantas de macieira ‘Gala’ receberam cinco tratamentos com fosfitos em diferentes estágios fenológicos para proteção da infecção natural de N. ditissima a campo. Todos os fosfitos in vitro afetaram negativamente o desenvolvimento de N. ditissima. Os tratamentos fosetil al (51 e 30%), fosfito de potássio 0-40-20 (44 e 37%) e captana (30 e 13%) reduziram a incidência de podridões e diâmetro de lesões em frutos. Em casa-de-vegetação todos os tratamentos apresentaram altos índices de controle sobre a incidência do CEM (17 a 100%) e redução do tamanho de lesão (58 a 100%) com exceção ao fosetil al. Em condições de campo, todos os tratamentos reduziram o número de cancros (48 a 88%), com exceção ao fosetil al e o fosfito de potássio 0-40-20. Em suma, os fosfitos reduzem os sintomas do CEM a níveis comparáveis aos fungicidas padrões captana e fosetil al, embora a formulação e a marca
comercial devam ser consideradas.

Biografia do Autor

Leonardo Araujo, Epagri / Estação Experimental de São Joaquim

Leonardo Araujo possui graduação em Agronomia e mestrado em Recursos Genéticos Vegetais pela UFSC e Doutorado e Pós-Doutorado em Fitopatologia pela UFV. Atualmente, é pesquisador na Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina na estação experimental de São Joaquim, onde desenvolve pesquisas com doenças de fruteiras de clima temperado.

Felipe Augusto Moretti Ferreira Pinto, Epagri/ Estação Experimental de São Joaquim

Felipe A. M. F. Pinto possui graduação em Agronomia, mestrado e doutorado em Agronomia/Fitopatologia pela Universidade Federal de Lavras. Atualmente, é Gerente de Pesquisa na Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina, atuando na Estação Experimental de São Joaquim, desenvolvendo pesquisas com doenças de fruteiras de clima temperado.

James Matheus Ossacz Laconski, Faculdades do Centro do Paraná

James M. O. Laconski é graduado em Engenharia Agronômica pela Faculdades do Centro do Paraná e especialista em Docência no Ensino Superior. Atualmente é professor do curso de Engenharia Agronômica da Faculdade Integrada do Vale do Ivaí (Univale) e realiza Mestrado em agronomia, área de concentração em produção vegetal, pela Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Paulo Henrique da Silva Nogueira, Faculdades do Centro do Paraná

Paulo H. S. Nogueira é Engenheiro Agrônomo, graduado pela Faculdades do Centro do Paraná - UCP (Pitanga-PR). Realizou seu estágio de conclusão de curso no laboratório de Fitopatologia da EPAGRI de São Joaquim. Especialista em Docência do Ensino Superior pela faculdade São Luís, Agronegócios Mercado e Sustentabilidade e Gestão de Agronegócios pela Faculdade Intervale.

Gustavo dos Santos Padilha, Unibave- Centro Universitário Barriga Verde

Gustavo S. Padilha é Engenheiro Agrônomo, graduado pela Centro Universitário Barriga Verde (Unibave). Realizou seu estágio de conclusão de curso no laboratório de Fitopatologia da EPAGRI de São Joaquim. Atualmente é empresário no ramo de maçã e responsável técnico de pomares na região de São Joaquim/SC.

Paulo Eduardo Rocha Eberhardt, Unibave- Centro Universitário Barriga Verde

Paulo E. R. Eberhardt possui graduação em Agronomia, mestrado e doutorado em Ciência e Tecnologia de Sementes pela Universidade Federal de Pelotas. Atualmente é professor de ensino superior da Fundação Educacional Barriga Verde. Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: semente, feijão, vigor, genótipos e vigna.

Referências

ARAÚJO, L.; BORSATO, L.C.; VALDEBENITO-SANHUEZA, R.M.; STADNIK, M.J. Fosfito de potássio e ulvana no controle da mancha foliar da gala em macieira. Tropical Plant Pathology, Lavras, v.33, n.2, p. 74-80, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1982-56762008000200009.

ARAUJO, L.; VALDEBENITO-SANHUEZA, R.M.; STADNIK, M.J. Avaliação de formulações de fosfito de potássio sobre Colletotrichum gloeosporioides in vitro e no controle pós-infeccional da mancha foliar de Glomerella em macieira. Tropical Plant Pathology, Lavras, v.35, n.1, p. 054-059, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1982-56762010000100010.

ARAUJO, L.; BISPO, W.M.S.; RIOS, V.S.; FERNANDES, S.A.; RODRIGUES, F.A. Induction of the phenylpropanoid pathway by acibenzolar-smethyl and potassium phosphite increases mango resistance to Ceratocystis fimbriata infection. Plant Disease, Minneapolis, v.99, n.4, p.447-459, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1094/PDIS-08-14-0788-RE.

ARAUJO, L.; MEDEIROS, H. A. Principais doenças e seu controle. In: SEZERINO, A.A. (Org.) Sistema de produção para a cultura da macieira em Santa Catarina. Florianópolis: Epagri, 2018. 136p. (Sistema de produção, 50). Disponível em: https://www.epagri.sc.gov.br/index.php/solucoes/publicacoes/sistema-de-producao/. Acesso em: 14 mar. 2020.

ARAUJO, L.; PINTO, F.A.M.F.; VIEIRA J.S. Situação do cancro europeu no Brasil. In: S.A.M. ALVES, A.B.C. CZERMAINSKI (Eds.), O cancro europeu no Brasil, (1st ed., pp. 33–42). Brasília, DF, Brazil: Embrapa, 2019.

ARAUJO, L., PINTO, F.A.M.F., VIEIRA, J.S., PASA, M.S., VALDEBENITO-SANHUEZA, R.M., STADNIK, M.J. Uso de bioestimulantes para o manejo da Sarna da Macieira em pomares. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v.33, n.3, p.60-66, 2020. DOI: https://doi.org/10.52945/rac.v33i3.751.

CEPA- Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola. Síntese anual da agricultura de Santa Catarina 2018-2019. Epagri (Ed.), Florianópolis, p. 200. Disponível em: https://docweb.epagri.sc.gov.br/website_cepa/publicacoes/Sintese_2018_19.pdf. Acesso em: 11 fev. 2022.

DALIO, R.J.D.; RIBEIRO JUNIOR, P.M.; RESENDE, M.L.V.; SILVA, A.C.; BLUMER, S.; PEREIRA, V.F.; OSWALD, W.; PASCHOLATI, S.F.P. O triplo modo de ação dos fosfitos em plantas. Revisão Anual de Patologia de Plantas, Passo Fundo, v.20, p.206-243, 2012.

FELIPINI, R.B.; BONETI, J.I.; KATSURAYAMA, Y.; NETO, A.C.R.; VELEIRINHO, B.; MARASCHIN, M.; DI PIERO, R.M. Apple scab control and activation of plant defence responses using potassium phosphite and chitosan. European Journal Plant Pathology, Switzerland, v.145, n.1, p.929–939, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10658-016-0881-2.

HAILEY, L.E.; PERCIVAL, G.C. Comparative assessment of phosphite formulations for apple scab (Venturia inaequalis) control. Arboriculture & Urban Forestry, Atlanta, v.40, n.4, p.237–243, 2014. DOI: https://doi.org/10.48044/jauf.2014.024.

R CORE TEAM. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing, 2018. Disponível em: https://www.R-project.org. Acesso em: 01 out. 2021.

REUVENI, M.; SHEGLOV, D.; COHEN, Y. Control of moldy-core decay in apple fruits by β-aminobutyric acids and potassium phosphites. Plant Disease, Minneapolis, v.87, n.8, p.933-936, 2003. DOI: https://doi.org/10.1094/PDIS.2003.87.8.933.

SMITH, J.T.; WALTER, M.; CAMPBELL, R.E.; TURNER, L. Can phosphorous acid be used to control Neonectria ditissima in New Zealand grown apples? New Zealand Plant Protection, Auckland, v.72, p.117-122, 2019. DOI: https://doi.org/10.30843/nzpp.2019.72.279.

SPOLTI, P.; VALDEBENITO-SANHUEZA, R.M.; CAMPOS, A.D.; DEL PONTE, E.M. Modo de ação de fosfitos de potássio no controle da podridão olho de boi em maçã. Summa Phytopathologica, Botucatu, v.41, n.1, p.42-48, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-5405/1982.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Araujo, L., Pinto, F. A. M. F. ., Laconski, J. M. O., Nogueira, P. H. da S. ., dos Santos Padilha, G., & Eberhardt, P. E. R. (2022). Formulações de fosfitos para o controle de cancro europeu da macieira. Agropecuária Catarinense, 35(2), 37-43. https://doi.org/10.52945/rac.v35i2.1457

Edição

Seção

Artigo Científico