Pirâmide etária e distribuição vertical da pérola-da-terra, Eurhizococcus brasiliensis (Hempel), em vinhedos do Meio-Oeste Catarinense

Autores

  • Eduardo Rodrigues Hickel Epagri/Estação Experimental de Itajaí
  • Edegar Luiz Peruzzo Epagri/Estação Experimental de Videira
  • Enio Schuck Epagri/Estação Experimental de Videira

Palavras-chave:

Hemiptera, Margarodidae, ecologia populacional, Vitis.

Resumo

Registros de contagem da pérola-da-terra, Eurhizococcus brasiliensis (Hempel) (Hemiptera: Margarodidae), em raízes de videira foram compilados para se obter informações pertinentes à predominância de
faixas etárias em determinados períodos, bem como à distribuição vertical do inseto nos vinhedos. Nos meses que antecedem e durante a dormência da videira (abril a outubro) prevalecem os cistos em estágios iniciais de desenvolvimento, na proporção de 40% a 60% de cistos mínimos (< 3mm de comprimento), 20% a 30% de cistos pequenos (3 a 4mm) e 10% a 20% de cistos médios (5 a 6mm). Indivíduos no estágio adulto tendem a prevalecer nas contagens efetuadas no mês de dezembro, no período reprodutivo da espécie. O inseto tende a se distribuir por toda a área dos vinhedos, com 65% a 80% da população concentrada na faixa de zero a 20cm de profundidade. A fixação do inseto prevalece em raízes com diâmetro de 2 a 5mm.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

Hickel, E. R., Peruzzo, E. L. ., & Schuck, E. (2021). Pirâmide etária e distribuição vertical da pérola-da-terra, Eurhizococcus brasiliensis (Hempel), em vinhedos do Meio-Oeste Catarinense. Agropecuária Catarinense, 22(1), 61-68. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/809

Edição

Seção

Artigo Científico