Patogenicidade de Leandria momordicae em cucurbitáceas

Autores

  • José angelo Rebelo Epagri/Estação Experimental de Itajaí
  • Miguel Dalmo de Menezes Porto UFRGS
  • Henry Stuker Epagri/Estação Experimental de Itajaí

Palavras-chave:

mancha reticulada, pepino, hospedeiros, mancha zonada, resistência a doenças

Resumo

A mancha reticulada das cucurbitáceas, causada por Leandria momordicae Rangel, é uma doença de difícil controle em razão da suscetibilidade do hospedeiro, ineficiência dos fungicidas, falta de cultivares resistentes
e pelo desconhecimento de fontes de resistência. Neste trabalho, pretendeu-se determinar a patogenicidade de L. momordicae a cucurbitáceas, na busca de espécies não suscetíveis e de novos hospedeiros, para atender a programas de controle integrado deste patógeno. Os ensaios foram conduzidos de abril a dezembro de 2001, na Epagri, em Itajaí, SC. As plantas em cultivo protegido, quando cultivadas diretamente no solo, foram inoculadas pelo método de introdução no ambiente de hastes de pepineiros infectadas pelo patógeno e, quando cultivadas em vasos, pelo método de pulverização de suspensão de conídios. As espécies assintomáticas e as infectadas não
relacionadas como hospedeiras foram novamente inoculadas em casa de vegetação. As assintomáticas foram inoculadas com suspensão de conídios do fungo isolado de pepineiro, e as sintomáticas, com conídios obtidos das
lesões de cada espécie. Cucurbita pepo, Bryonia cretica, Cucumis metuliferus e Sicana odorifera, não citadas como hospedeiros, foram suscetíveis a L. momordicae e devem ser consideradas como fontes primárias de inóculo.
Melothria pendula, Cucurbita maxima e Cayaponia tayuya não apresentaram sintomas da doença.

Downloads

Publicado

2021-06-23

Como Citar

Rebelo, J. angelo, Porto, M. D. de M. ., & Stuker, H. . (2021). Patogenicidade de Leandria momordicae em cucurbitáceas. Agropecuária Catarinense, 18(1), 84-86. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/960

Edição

Seção

Nota Científica