Microbiota e conservação de produtos frescais

Autores

  • Felipe de Lima Franzen Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição, Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. https://orcid.org/0000-0001-8925-4098
  • Janine Farias Menegaes Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. http://orcid.org/0000-0001-6053-4221
  • Daiane Palma Cielo Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. https://orcid.org/0000-0003-0997-8032
  • Giane Magrini Pigatto Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. https://orcid.org/0000-0002-3528-6462
  • Tatiane Codem Tonetto Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. https://orcid.org/0000-0001-5782-4316
  • Mari Silvia Rodrigues de Oliveira Docente do Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos - DTCA, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. https://orcid.org/0000-0003-4803-5643

DOI:

https://doi.org/10.52945/rac.v33i3.764

Palavras-chave:

qualidade de alimentos, microbiologia de alimentos, deterioração de alimentos.

Resumo

Os produtos frescais tem importância significativa no âmbito da qualidade e segurança dos alimentos, em função das características desses produtos, especialmente por sua maior suscetibilidade à deterioração e consequente curta vida útil para consumo. Assim, o objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão bibliográfica apresentando os aspectos de interesse relacionados à microbiota e conservação de produtos frescais. Para a presente pesquisa foram realizadas revisões bibliográficas na literatura nacional e internacional. Realizou-se uma busca por termos microbiologia, microbiota, produtos frescais, produtos cárneos, produtos lácteos e conservação de produtos crus em um período de busca de março de 2017 à março de 2020. A microbiota apresenta-se bastante variável, principalmente em função da espécie animal a partir da qual se obtém o produto ou a matéria-prima para elaboração de variados produtos derivados frescais. Já os processos de conservação incluem ações no sentido do impedimento de que os micro-organismos cheguem ao produto; da destruição dos micro-organismos e da modificação nas condições ambientais, criando-se outras que impeçam o crescimento microbiano. Nesse sentido, os esforços acerca da obtenção de maior qualidade microbiológica nos produtos frescais devem alcançar toda a cadeia produtiva, e a conservação dos produtos frescais pode complementar a melhoria das condições de viabilidade para o consumo dos mesmos.

Biografia do Autor

Felipe de Lima Franzen, Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição, Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição da Universidade Estadual de Campinas (FEA/UNICAMP) na linha de pesquisa de Consumo e Qualidade de Alimentos. Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2015). Mestre em Ciência e Tecnologia dos Alimentos (UFSM, 2017), na área de concentração em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Graduado em Licenciatura Plena pelo Programa Especial de Graduação de Formação de Professores para a Educação Profissional (PEG; UFSM, 2017), no eixo tecnológico de Recursos Naturais. Técnico Agrícola Habilitação em Jardinagem (2006) e Técnico em Agroindústria (2008) ambos pelo Colégio Politécnico da UFSM. Com atuação relacionada à Agronomia, nas áreas de ciência e tecnologia de alimentos, processamento de alimentos, floricultura, paisagismo, jardinagem e plantas medicinais. Com participação e desenvolvimento de projetos de pesquisa, ensino e extensão nas áreas supracitadas.

Janine Farias Menegaes, Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Engenheira Agrônoma formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2013) e em Licenciatura Plena pelo Programa Especial de Graduação de Formação de Professores para a Educação Profissional (PEG; UFSM, 2015), no eixo tecnológico de Recursos Naturais. Mestre em Engenharia Agrícola (UFSM, 2015), na área de concentração Agroambiental. Doutora em Agronomia (UFSM, 2019), na linha de pesquisa de desenvolvimento, avaliação e multiplicação de genótipos superiores. Especialista em Educação Ambiental (UFSM, 2020). Técnica Agrícola Habilitação em Jardinagem (Colégio Politécnico; UFSM, 2008) e Técnica em Administração (Colégio Politécnico; UFSM, 2007). Com atuação relacionada à Agronomia, nas áreas de sementes em produção e beneficiamento, horticultura geral, floricultura, paisagismo, jardinagem, substratos, olericultura, hidroponia, plantas medicinais, propagação de plantas, ambientes de cultivos, engenharia agroambiental, fitorremediação do solo, agroecológica e educação socioambiental. Com participação e desenvolvimento de projetos de pesquisa, ensino e extensão nas áreas supracitadas. Atualmente, está como professora voluntária no Departamento de Fitotecnia da UFSM, nas disciplinas de Propagação de Plantas e de Paisagismo e Floricultura.

Daiane Palma Cielo, Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Graduação em Nutrição pela Universidade Franciscana - UFN (2010); Mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2018); Especialização em Gestão e Controle de Qualidade de Alimentos pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS (2016); Licenciatura em Nutrição pelo Programa Especial de Graduação de Formação de Professores para a Educação Profissional, no eixo tecnológico da Produção Alimentícia pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2015); Graduação em Tecnologia em Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (em andamento). Possui experiência em atividades na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos e Nutrição, com ênfase em Desenvolvimento de produtos lácteos, Análise sensorial, Controle de Qualidade em Indústria de Alimentos e Serviços de Alimentação, Segurança dos Alimentos, Boas Práticas e Gestão em Serviços de Alimentação.

Giane Magrini Pigatto, Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria e licenciatura plena pela UFSM no Programa Especial de Graduação - Formação de Professores para a Educação Profissional. Especialista em Educação Ambiental e especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação aplicadas à Educação pela UFSM. Mestre e Doutora em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria. Graduanda em Direito pela Universidade Franciscana.

Tatiane Codem Tonetto, Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Federal de Santa Maria (2007) e mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria (2018). Atualmente é técnica em laboratório/química da Universidade Federal de Santa Maria.

Mari Silvia Rodrigues de Oliveira, Docente do Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos - DTCA, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Possui graduação em Farmácia Modalidade Farmacêutico Bioquímico Tecnóloga em Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria (1993), mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria (1999) e doutorado pelo mesmo programa (2013). Atualmente é professor adjunto na Universidade Federal de Santa Maria-UFSM. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Tecnologia de Alimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento de alimentos, análises físico-químicas e microbiológicas de alimentos.

Referências

ALAHAKOON, A.U.; JAYASENA, D.D.; RAMACHANDRA, S.; JO, C. Alternatives to nitrite in processed meat: Up to date. Trends in Food Science & Technology, v.45 n.1, p.37-49, 2015.

ALMEIDA FILHO, N.; AZEVEDO, L.L.T. Segurança alimentar e nutricional na América do Sul e BRICS: avanços e “nuvens” no horizonte. Economia e Sociedade, Campinas, v.28, n.3, p.717-739, 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 76, de 26 de novembro de 2018. Dispõe sobre Regulamentos Técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite pasteurizado tipo A. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 9.013, de 29 de março de 2017. Dispõem sobre a inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa n° 60, de 23 de dezembro de 2019. Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos. D.O.U., Publicado em: 26/12/2019, Edição: 249, Seção: 1, p.133. Brasília, DF, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 272, de 14 de março de 2019. Estabelece os aditivos alimentares autorizados para uso em carnes e produtos cárneos. D.O.U., Publicado em: 18/03/2019, Edição: 52, Seção: 1, p.194. Brasília, DF, 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 4, de 1 de março de 2004. Regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade do queijo minas frescal. Brasília, D.O.U., 05 de março de 2004. Brasília, DF, 2004.

CDC. What is CDC’s role in food safety? Centro de Controle e Prevenção de Doenças, 2016.

COLOMBO, S.G.; BACHINI, T.V.; SILVA, J.M. Modelo de Gestão para Otimização do Rendimento de Envoltórios Naturais na Fabricação de Linguiça Suína Tipo Frescal. Revista Latino Americana de Inovação e Engenharia de Produção, v.4, n.5, p.124–139, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/relainep.v4i5.38383

DAGUER, H.; SILVA, H.D.; HIGASHIYAMA, E.R.; ZANETTE, C.M.; BERSOT, L.S. Qualidade de produtos cárneos fabricados sob Inspeção Federal no Estado do Paraná. Ciência Animal Brasileira, Goiânia, v.1 2, n.2, p.359-364, 2011.

DUARTE, D.A.; GRÄFF, T.B.A. Influência de diferentes tipos de embalagens na estabilidade de linguiça frescal. Higiene Alimentar, v.30, n.260/261, p.109-115, 2016.

DUCATI, C.; NESPOLO, C.R. Queijo Minas e Ricota, semelhantes, mas não iguais. Jornal Sul Brasil, Chapecó, 02 set., 2010. p.25-25

FORSYTHE, S.J. Microbiologia da segurança dos alimentos. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2013. 607p.

FRANCO, B.D.G.M.; LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 1996. p.27-28.

GEORGES, S.O.; BERNARDO, L.G.; ANDRÉ, M.C.D.P.B.; CAMPOS, M.R.H.; BORGES, L.J. Ecofisiologia microbiana e micro-organismos contaminantes de linguiça suína e de frango do tipo frescal. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, Curitiba, v.36, n.1, 2019.

GERMANO, P.M.L.; GERMANO, M.I.S. Higiene e vigilância sanitária de alimentos: qualidade das matérias-primas, doenças transmitidas por alimentos, treinamento de recursos humanos. [S.l: s.n.], 2015. 1077p.

JAY, J.M. Microbiologia de alimentos. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. 711p.

JU, J.; CHEN, X.; XIE, Y.; YU, H.; GUO, Y.; CHENG, Y.; QIAN, H.; YAO, W. Application of essential oil as a sustained release preparation in food packaging, Trends in Food Science & Technology, v.92, p.22-32, 2019. https://doi.org/10.1016/j.tifs.2019.08.005.

KALPANA, S.; PRIYADARSHINI, S.R.; LEENA, M.M.; MOSES, J.A.; ANANDHARAMAKRISHNAN, C. Intelligent packaging: Trends and applications in food systems, Trends in Food Science & Technology, v.93, p.145-157, 2019. https://doi.org/10.1016/j.tifs.2019.09.008.

KASPER, D.; FAUCI, A.; HAUSER, S.; LONGO, D.; JAMESON, J.; LOSCALZO, J. Manual de medicina de Harrison. 19. ed. Porto Alegre: AMGH, 2017. 1408p.

KURUWITA, D.P.; JIANG, X.; DARBY, D.; SHARP, J.L.; FRASER, A.M. Persistence of Escherichia coli O157:H7 and Listeria monocytogenes on the exterior of three common food packaging materials, Food Control, v.112, p.107-153, 2020. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2020.107153.

LIMA, M.S.; PENNA, L.P.C. Fabricação de Produtos Lácteos: Princípios Básicos. Belo Horizonte: Emater-MG, 2012. 68p.

LIN, W.; NI, Y.; PANG, J. Size effect-inspired fabrication of konjac glucomannan/polycaprolactone fiber films for antibacterial food packaging, International Journal of Biological Macromolecules, v.149, p.853-860, 2020. https://doi.org/10.1016/j.ijbiomac.2020.01.242.

LIU, C.; HUANG, J.; ZHENG, X.; LIU, S.; LU, K.; TANG, K.; LIU, J. Heat sealable soluble soybean polysaccharide/gelatin blend edible films for food packaging applications, Food Packaging and Shelf Life, v.24, p.100-485, 2020. https://doi.org/10.1016/j.fpsl.2020.100485.

LORENZETTI, D.K. Influência do tempo e da temperatura no desenvolvimento de microrganismos psicrotróficos no leite cru de dois estados da região sul. 2006. 71f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

MOTARJEMI, Y.; MOY, G.G.; JOOSTE, P.J.; ANELICH, L.E. Milk and Dairy Products. In: Yasmine Motarjemi and Huub Lelieveld (Ed.) Food Safety Management: Practical Guide for the Food Industry. Harmonização Global, Bilthoven, Holanda, 2014. p.83–117.

NASCIMENTO, R.S.; FONSECA, A.B.; FEIJÓ, M.B.S.; FRANCO, R.M.; MIRANDA, Z.B. Physicochemical characteristics of smoked cooked linguiças made with ostrich meat trimmings. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. v.69, n.2, p.491-496, 2017. https://doi.org/10.1590/1678-4162-8969.

MOHAMED, S.A.A.; EL-SAKHAWY, M.; EL-SAKHAWY, M.A.M. Polysaccharides, protein and lipid-based natural edible films in food packaging: A Review, Carbohydrate Polymers, v.238, p.116-178, 2020. https://doi.org/10.1016/j.carbpol.2020.116178.

NUNES, L.P.S.; CARDOSO FILHO, F.C.; CALDAS, M.L.; MARTINS, L.M.; SANTOS, L.P.S.; MURATORI, M.C.S. Microbiologia de linguiças caseiras in natura, refrigeradas, assadas e congeladas. Ensaios e Ciencias, v.23, n.1, p.67-69, 2019.

ORDÓÑEZ, J.A. Tecnologia de alimentos. Componentes dos alimentos e processos. Vol. 1. Porto Alegre. Editora Artmed. 2005. 294 p.

ORDÓÑEZ, J.A.; MURAS, F.; JONG, E.V. Tecnologia de Alimentos - Alimentos de Origem Animal. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, v.2, 2005. 279p.

PANDEY, V.K.; UPADHYAY, S.N.; NIRANJAN, K.; MISHRA, P.K. Antimicrobial biodegradable chitosan-based composite nano-layers for food packaging, International Journal of Biological Macromolecules, v.157, p.212-219, 2020. https://doi.org/10.1016/j.ijbiomac.2020.04.149.

PERRY, K.S.P. Queijos: aspectos químicos, bioquímicos e microbiológicos. Quím. Nova, São Paulo, v.27, n.2, p.293-300, 2004.

PICININ, L.C.A. Qualidade do leite e da água de algumas propriedades leiteiras de Minas Gerais. 2003. 89f. (Mestrado em Medicina Veterinária) - Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, 2003.

PINTO, C.L.O.; MACHADO, S.G.; MARTINS, M.L.; VANETTI, M.C.D. Identificação de bactérias psicrotróficas proteolíticas isoladas de leite cru refrigerado e caracterização do seu potencial deteriorador. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v.70, n.2, p.105, 3 set. 2015.

SANTOS, C.Y. Diagnóstico de situação da produção de linguiça fresca suína no Município de Rio Verde/GO. 2016. 93f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabal, 2016.

SHARMA, R.; JAFARI, S.M.; SHARMA, S. Antimicrobial bio-nanocomposites and their potential applications in food packaging, Food Control, v.112, 107086, 2020. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2020.107086.

SIMÕES, P; KORDIAK, J. Avaliação da temperatura de gondolas da rede de frios de supermercados da cidade de Ponta Grossa- Pr. 2016. 32f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnologia em alimentos) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, 2016.

SOARES, K.M.P.; GONÇALVES, A.A. Qualidade e segurança do pescado. Revista Instituro Adolfo Lutz (Impr.), São Paulo, v.71, n.1, 2012.

SPRICIGO, D.A.; MATSUMOTO, S.R.; ESPÍNDOLA, M.L.; FERRA, S.M. Prevalência, quantificação e resistência a antimicrobianos de sorovares de Salmonella isolados de linguiça frescal suína. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.28, n.4, p.779-785, 2008.

TERRA, N.N. Apontamentos sobre tecnologia de carnes. São Leopoldo: Editora Unisinos, 1998. p.59-87.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Franzen, F. de L., Menegaes, J. F., Cielo, D. P., Pigatto, G. M., Tonetto, T. C., & de Oliveira, M. S. R. (2020). Microbiota e conservação de produtos frescais. Agropecuária Catarinense, 33(3), 77-82. https://doi.org/10.52945/rac.v33i3.764

Edição

Seção

Revisão Bibliográfica