Murcha-de-curtobacterium do feijoeiro: descrição e controle

Autores

  • Gustavo de Faria Theodoro Epagri/Cepaf
  • Antonio Carlos Maringoni Unesp

Resumo

A presença da murcha-decurtobacterium foi confirmada nos municípios catarinenses de Campos Novos, Faxinal dos Guedes, Guatambu, Ipuaçu, Ponte Serrada e Tigrinhos (Figura 1), indicando a adaptabilidade do patógeno ao hospedeiro e aos dois subtipos climáticos de Köppen (Clima
Subtropical Úmido – Cfa: temperatura média do mês mais quente
acima de 22oC e a temperatura média do mês mais frio entre 10 e 15oC;
Clima Temperado Úmido – Cfb: temperatura média do mês mais
quente abaixo de 22 oC e a temperatura média do mês mais frio entre -3 e 18oC) presentes no Estado de Santa Catarina. Com isso, aventa-se a hipótese que esta doença possa estar em outros municípios catarinenses.

Downloads

Publicado

2021-05-27

Como Citar

Theodoro, G. de F., & Maringoni, A. C. . (2021). Murcha-de-curtobacterium do feijoeiro: descrição e controle. Agropecuária Catarinense, 19(1), 62-64. Recuperado de https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/rac/article/view/916

Edição

Seção

Informativo Técnico