Perfil dos meliponicultores e aspectos da criação de abelhas sem ferrão em Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52945/rac.v35i3.1471

Palavras-chave:

Abelhas nativas, meliponicultura, meliponini, aspectos socioeconomicos

Resumo

 As abelhas são responsáveis por polinizar 90% das plantas com flores, estimando-se a ocorrência de 300 espécies de abelhas sem ferrão nos diferentes biomas brasileiros. Devido à facilidade no manejo, a meliponicultura tem se destacado como atividade econômica e recreativa em Santa Catarina. Este trabalho teve o objetivo de avaliar aspectos socioeconômicos de meliponicultores em Santa Catarina. As informações foram obtidas por meio da aplicação de questionário online abordando temas relacionados à criação de abelhas sem ferrão. Foram obtidas 62 respostas de criadores de 31 municípios distribuídos em seis regiões do Estado. A meliponicultura é praticada por criadores de 26 a 45 anos que ingressaram na atividade há menos de três anos. Dos entrevistados, 75,8% estão em áreas urbanas, tendo a atividade como hobby. A espécie de abelha mais criada é a jataí (Tetragonisca angustula). Este é o primeiro estudo sobre o perfil dos meliponicultores de Santa Catarina que permitiu conhecer suas características, identificar as demandas e melhorias que podem ser feitas no setor.

Biografia do Autor

Bruna Bianchini Gomes, Universidade Federal de Santa Catarina

Bióloga, UFSC, Centro de Ciências Biológicas (CCB), Campus Universitário



Márcia Regina Faita, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Bióloga, Dra., UFSC, Centro de Ciências Agrárias (CCA), Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais (PPGRGV)




André Amarildo Sezerino, Epagri/ Estação experimental de Caçador

Eng.-Agrônomo, Dr., Epagri/Estação experimental de Caçador



Alex Sandro Poltronieri, Universidade Federal de Santa Catarina

Eng.-Agrônomo, Dr., UFSC, Departamento de Fitotecnia, Centro de Ciências Agrárias (CCA)




Referências

AME-Joinville. Associação de meliponicultores de Joinville. Disponível em: https://ame-joinville.blogspot.com/p/pagina-inicial.html. Acesso em: 23 ago. 2021.

ALVES-JUNIOR, V. V.; CARBONARI, V.; CARBONARI, O.; ROSSINI, F, L. Seleção de rainhas: uma opção rentável aos apicultores de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia, v.3, n.2, 2008.

BARROS, H.M. Manejo racional de colônias de Meliponíneos. Curso de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

BERGALLO, H.G.; UZÊDA, M.C.; FIDALGO, E.C.C.; ALVES, M.A.S.; ROCHA, C.F.D.; SLUYS, M.V.; COSTA, T.C.C.; COSTA, M.B.; SANTOS, M.A.; COZZOLINO, A.C.R.; ALENCAR, R.S. Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro: Uma nova abordagem. Rio de Janeiro: Instituto Biomas, 2009.

BILUCA, F.C. Caracterização química e bioativa de méis de abelhas sem ferrão (Meliponinae) produzidos no estado de Santa Catarina. 2018, 180p. Tese (Doutorado). Ciência dos Alimentos do Centro de Ciências Agrárias – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, 2018.

BLOCHTEIN, B.; FERREIRA, N.R.; TEIXEIRA, J.S.G.; FERREIRA JUNIOR, N.T.; WITTER, S. CASTRO, D. Manual de boas práticas para criação e manejo racional de abelhas sem ferrão no RS. EDIPUCRS: Porto Alegre, 2008. 48p.

CIDASC. Apicultor e meliponicultor, informe-se! 2020. Disponível em:http://www.cidasc.sc.gov.br/blog/2020/05/09/apicultor-e-meliponicultor-informe-se-2/. Acesso em: 24 ago. 2021.

CORTOPASSI-LAURINO M.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L.; ROUBIK, D.W.; DOLLIN, A.; HEARD, T.; AGUILAR, I.; VENTURIERI, G.C.; EARDLEY, C.; NOGUEIRA-NETO, P. Global meliponiculture: challenges and opportunities. Apidologie, v.37, p.275-292, 2006.

DANTAS, M.C.A.M.; BATISTA, J.L.; DANTAS, I.M.; DIAS, V.H.P.; ANDRADE FILHO, F.C. Abelha sem ferrão e seu potencial socioeconômico nos Estados da Paraíba e Rio Grande do Norte. Research, Society and Development, v.9, n.10, e3309107939, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i10.7939

EPAGRI. Mel de abelhas sem ferrão é regulamentado em Santa Catarina. 2020. Disponível em: https://www.epagri.sc.gov.br/index.php/2020/11/13/mel-de-abelhas-sem-ferrao-e-regulamentado-em-santa-catarina/#:~:text=A%20portaria%20SAR%20n%C2%BA%2037,produto%2C %20destinado%20ao%20consumo%20humano. Acesso em: 05 mar. 2021.

FERREIRA, M. N.; BALLESTER, W. C.; DORVAL, A.; COSTA, R. B. Conhecimento tradicional dos Kaiabi sobre abelhas sem ferrão no Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso, Brasil. Tellus, Campo Grande, v.10, n.19, p.131-137, 2010. DOI: https://doi.org/10.20435/tellus.v0i19.212

GIANNINI, T. C.; BOFF, S.; CORDEIRO, G. D.; CARTOLANO JUNIOR, E. A.; VEIGA, A. K.; IMPERATRIZ-FONSECA, V. L.; SARAIVA, A. M. Crop pollinators in Brazil: a review of reported interactions. Apidologie, 2014. DOI: 10.1007/s13592-014-0316-z

HALL, D. M.; GERARDO, R. C.; TONIETTO, R. K.; OLLERTON, J.; AHRNÉ, K.; ARDUSER, M.; ASCHER, J. S.; BALDOCK, K. C. R.; FOWLER, R.; FRANKIE, G.; GOULSON, D.; GUNNARSSON, B.; HANLEY, M. E.; JACKSON, J. I.; LANGELOTTO, G.; LOWENSTEIN, D.; MINOR, E. S.; PHILPOTT, S. M.; POTTS, S. G.; SIHORI, M. H.; SPEVAK, E. M.; STONE, G. N.; THRELFALL, C. G. The city as a refuge for insect pollinators. Conservation Biology, v.31, n.1, p. 24-29, 2017.

JAFFÉ, R.; POPE, N.; MAIA, U. M.; IMPERATRIZ-FONSECA, V. L. Bees for Development: Brazilian Survey Reveals How to Optimize Stingless Beekeeping. Plos One, v.10, n.3, p. e0121157, 2015.

MENEZES, C. Meliponicultura: Aspectos Biológicos [recursos eletrônicos] / Menezes, Cristiano, coordenação de Patrícia Ortiz Monteiro; Coord. de Curso de Apicultura Meliponicultura Experimental de Prof.ª Dra. Lidia Maria Ruv Carelli Barreto -- Dados eletrônicos. – Taubaté. Ed. Unitau, 2020. 101p.

NOGUEIRA-NETO, P. Vida e criação de abelhas indígenas sem ferrão. São Paulo, Nogueirapis. 1997.

PEREIRA, F de M.; SOUZA, B. de A.; LOPES, M. T. do R. Criação de abelhas-sem-ferrão. Teresina: Embrapa Meio-Norte. 2017. 31p. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1079116.

RAUBER, A.T. Meliponicultura e seus desafios: proposta de uma nova alternativa com sustentabilidade. 2011, 22p. Especialização (Captação de Recursos e Projetos de Investimentos) – Unoesc- SMO, 2011.

SILVA, W.P.; PAZ, J.R.L. Abelhas sem ferrão: muito mais do que uma importância econômica. Natureza online, p.146 – 152, 2012. Disponível em: http://www.naturezaonline.com.br/natureza/conteudo/pdf/09_Silva_Paz_146152.pdf. Acesso em: 23 mar. 2021.

SLAA, E. J.; CHAVES, L. A. S.; MALAGODI-BRAGA, K. S.; HOFSTEDE, F. E. Stingless bees in applied pollination: practice and perspectives. Apidologie, v.37, n.2, p.293-315, 2006.

STUCH, A.L.P.B. Estrutura de População em Abelhas Jataí (Tetragonisca angustula Letreille) por meio de Isoenzimas. 2006. 48p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, 2006.

TEW, N. E.; MEMMOTT, J.; VAUGHAN, I. P.; BIRD, S.; STONE, G. N.; POTTS, S. G.; BALDOCK, K. C. R. Quantifying nectar production by flowering plants in urban and rural landscapes. Journal of Ecology, 2021. DOI https://doi.org/10.1111/1365-2745.13598

VILLAS-BÔAS, J. Mel de abelhas sem ferrão, Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão. 1ª edição. Brasília, DF. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Brasil, 2012.

Downloads

Publicado

2022-12-26

Como Citar

Gomes, B. B. ., Faita, M. R., Sezerino, A. A., & Poltronieri, A. S. . (2022). Perfil dos meliponicultores e aspectos da criação de abelhas sem ferrão em Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, 35(3), 76-81. https://doi.org/10.52945/rac.v35i3.1471

Edição

Seção

Artigo Científico